Povoado de Boca do Tejo - Marechal Thaumaturgo-AC

Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

OIAPOQUE: A DEMORA NA INAUGURAÇÃO DA PONTE BINACIONAL





Ponte estaiada de 378m sobre o rio Oiapoque segue o mesmo estilo da moderna Octávio Frias de Oliveira, de São Paulo. Previsão inicial de inauguração era para 2010
A situação de abandono começa a mudar com obras do Governo Federal em uma ponte para ligar Oiapoque à capital guianense, Caiena, e na pavimentação da BR-156, estrada que ainda tem cerca de 200 km em trechos não asfaltados entre o Oiapoque e a capital. Mas as melhorias demoram. Trilham um caminho enlameado que passa por dificuldades de clima, de solo e por compensações a quem sente que pode ter prejuízos com as mudanças.
Enquanto os índios locais fazem exigências para liberar o asfaltamento da estrada para a capital, nos trechos de terra que passam por suas reservas, os atuais exploradores da travessia do rio Oiapoque, os chamados catraieiros, deixam claro: se não tiverem suas reivindicações atendidas, a ponte não será inaugurada.

Chamada de “Binacional”, a ponte estaiada de 378m sobre o Rio Oiapoque, que segue o mesmo estilo da moderna Octávio Frias de Oliveira, de São Paulo, teve sua construção iniciada em 2009 numa parceria inédita com a França. Concluída desde 2011, a previsão atual de entrega da obra, a um custo próximo de R$ 75 milhões – R$ 12,9 milhões a mais que a estimativa inicial – é para o segundo semestre de 2012. A previsão inicial era de que a estrutura fosse concluída e inaugurada até novembro de 2010. Todos os números foram obtidos com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), que contratou diretamente a obra.
O motivo do atraso de mais de 1 ano, segundo o órgão, foi uma “feição geológica desfavorável” próxima à fundação da ponte, o que teria atrasado o ritmo de sua incorporação. Além disso, a inauguração depende que os postos de fronteira com instalações da Receita Federal, Vigilância Sanitária e Polícia Federal do lado brasileiro sejam construídos. No ano de 2010, um informativo do DNIT indicou que as escavações encontraram um achado arqueológico indígena do período pré-colonial.Segundo o deputado federal Sebastião Bala Rocha (PDT-AP), integrante de um grupo de trabalho que acompanha o empreendimento e as negociações para mitigar seus impactos ambientais e sociais, o clima equatorial é determinante para o ritmo lento da construção. "Nos meses do chamado inverno, quando chove todos os dias, entre janeiro e junho, não se fazem obras rodoviárias ", disse.

Os problemas vão além das chuvas amazônicas. As denúncias de corrupção deste ano no DNIT paralisaram obras em todo o País e o Amapá não foi exceção. Com diretores afastados, as decisões colegiadas do órgão foram adiadas e retomadas apenas no segundo semestre. No caso do Amapá, isso ocasionou a demora na revisão dos valores contratados pelo ramal rodoviário da ponte e do asfaltamento da BR-156, que ficaram defasados pelo atraso de ambas as obras. "Houve uma demora de 90 dias para a indicação de uma nova diretoria depois que a antiga foi afastada", disse o parlamentar.
Investimento milionário em ponte pode trazer oportunidades à cidade, mas investimentos públicos são necessários. Vídeo: Fernando Borges/Terra
O projeto de construção da ponte foi assinado em 1997 pelos presidentes Fernando Henrique Cardoso e Jacques Chirac. Em 2008, o então presidente Lula classificou de "absurdo" e “vergonha” a obra não ter sido inaugurada e prometeu entregá-la em 2010
De acordo com Bala Rocha, falta também que os governos dos dois países acertem os acordos de intercâmbio comercial e de trânsito de pessoas. A Guiana é o único território francês onde cidadãos brasileiros não são recebidos a menos que tenham um visto de turismo. Caso sejam pegos no país sem o visto, são presos e deportados. Segundo a Embaixada da França, uma exceção é feita para quem comprovar residência no Oiapoque e for apenas até a vizinha Saint Georges. "Se inaugurar a ponte agora, será apenas como uma obra de arte", declarou Bala Rocha.
PRÓXIMA PÁGINA
O acordo mais bem encaminhado entre os dois países é o que toca o policiamento. Segundo o superintendente da Polícia Federal do Amapá, Roberto Maia, está em funcionamento um centro de cooperação das polícias com a presença de um oficial brasileiro em território francês e um francês do lado nacional. A cooperação, de acordo com ele, foi responsável pela captura de um homem que matou uma pessoa do lado brasileiro e fugiu para o lado francês em julho deste ano, sendo localizado lá após troca de informações entre as polícias. "Antes precisaria passar pelo Ministério das Relações Exteriores, hoje o canal é direto. Os crimes começam em um País e terminam no outro, de forma que a informação rápida é nosso melhor instrumento", disse.O projeto da ponte existe desde 1997, quando os então presidentes brasileiro, Fernando Henrique Cardoso, e francês, Jacques Chirac, decidiram pela construção com verbas de ambos os países. Em 2008, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em seu segundo mandato, classificou de "absurdo" a ponte não ter sido até então inaugurada. "Os presidentes Fernando Henrique e Jacques Chirac fizeram uma grande festa para anunciar a construção, mas vão se passar dois mandatos e essa ponte não foi inaugurada. É uma vergonha", disse Lula, que se comprometeu, durante a visita do francês Nicolas Sarkozy, a inaugurar a ponte até o final de 2010.Vendo na inauguração da ponte uma oportunidade para revitalizar o turismo do município que governa, o prefeito do Oiapoque, Raimundo Agnaldo Rocha (PP), faz uma comparação entre o ciclo do ouro, que segundo ele desenvolveu desordenadamente a cidade, e o novo ciclo que espera ver com a atração de turistas franceses para a cidade onde "começa o Brasil". “O turismo é o maior garimpo que nós podemos ter e é um garimpo que não vai se extinguir nunca.
A expectativa é de que a ligação direta com o país vizinho, quando concluída, mostre-se um estímulo para a combalida economia amapaense - o Estado é o segundo menor Produto Interno Bruto do País. Produtos guianenses poderiam ser levados de caminhão até o porto de Santana. O deputado estadual Paulo José Ramos (PTC) afirma que a instalação de indústrias no território amapaense encontraria demanda no vizinho e poderia resolver o problema da falta de oportunidade no lado brasileiro, que ocasiona a imigração ilegal para o lado francês. "A Guiana não produz nada, depende até do papel higiênico que vem da França", declarou.

FONTE: TERRA REPÓRTER

5 comentários:

  1. Afinal, foi ou não inaugurada?

    ResponderExcluir
  2. não foi! Que lastima! Eu que tenho uma empresa de turismo na Guiana Francesa, não posso abrir meus destinos de aventura no Amapa devido ao atraso desta inauguração!

    ResponderExcluir
  3. Tem já a data da inauguração de porte?

    ResponderExcluir
  4. Já tem a data de inauguração dessa ponte?

    ResponderExcluir
  5. Pode passar o ponte desde Julho 2011. Mas como dinheiro da
    construcao foi roubado (o governador de Amapa foi preso pelo governo de Brasilia porque faltavam na volta 320 Mill. de Reais). Tambem a construcao do posto fronterico para a policia federal foi adiantado ate o fim de 2012.

    No lado frances tudo e pronto!

    E esperar!

    ResponderExcluir