castelos medievais

castelos medievais

domingo, 23 de dezembro de 2012

NAURU O TERCEIRO MENOR PAÍS DO MUNDO


Ficheiro:Flag of Nauru.svg

Ficheiro:NRU orthographic.svg

População: 9.965 habitantes (2011)
Área: 21,20 km²

Nauru (em nauruano: Naoero), oficialmente República de Nauru (em nauruano: Ripublik Naoero) e antes conhecido por Pleasant Island (em português: Ilha Aprazível), é um país insular do hemisfério sul, localizado na Oceania, que compreende uma área de 21 quilômetros quadrados, o que faz dele o menor país insular do mundo. A ilha mais próxima ao país é a Ilha Banaba, no Kiribati, 300 quilômetros a leste.
Nauru é uma ilha rica em rocha fosfática, e sua atividade econômica primária desde 1907 foi a exportação de fosfato da ilha. Com o esgotamento das reservas de fosfato, seu ambiente severamente degradado pela mineração, e a confiança estabelecida para administrar a riqueza da ilha significativamente reduzida em valor, o governo de Nauru ordenou medidas excepcionais para obter o rendimento. Desde 2001, aceitou o apoio do governo australiano, em troca do qual a ilha acolhe um centro de detenção para pessoas que procuram asilo na Austrália, que é parte da sua "Solução Pacífica".

Ficheiro:Nauru satellite.jpg


Primeiros habitantes

As origens do povo nauruano permanecem obscuras, dada a falta de registros históricos escitos e concisos, o que acontece com muitos dos povos que vivem no Pacífico. Nauru foi inicialmente habitada por Micronésios e Polinésios há pelo menos 3000 anos. Havia tradicionalmente doze tribos, que são representadas pela estrela de 12 pontas na bandeira da nação.

Descoberta e colonização

Nauru foi descoberta pelos europeus em 1798 pelo navegador inglês capitão John Fearn.
Nauru foi anexada e designada uma "colônia" pela Alemanha em 1888 até o final do século XIX, em 1900 é descoberto fosfato na ilha e a extração começa em 1906 por uma empresa anglo-alemã e foi governada pela Austrália durante a Grande Guerra e tornou-se um território mandatário administrado pela continuamente pela Austrália, pela Nova Zelândia e pelo Reino Unido depois da Primeira Guerra Mundial. A ilha foi ocupada pelo Japão durante a Segunda Guerra Mundial, e depois da guerra estabeleceu a tutela novamente.
A seguir à Primeira Guerra Mundial, Nauru ficou como um protetorado da Liga das Nações administrada pela Austrália desde 1920 e, a partir de 1947, por mandato das Nações Unidas.

Ficheiro:Coral reef on Nauru.jpg

Ficheiro:Nauru-parliament.jpg

Ficheiro:Nauru-districts-fr.svg


Nauru está dividida, administrativamente, em 14 distritos:
  • Aiwo 
  • Anabar
  • Anetan
  • Anibare
  • Baiti
  • Boe
  • Buada
  • Denigomodu
  • Ewa
  • Ijuw
  • Meneng
  • Nibok
  • Uaboe
  • Yaren

Transporte

Uma pequena rede de estradas percorre o perímetro da ilha. A maior estrada tem quarenta e um quilômetros, percorre a faixa litorânea. Para se locomover pelos distritos da ilha estão disponíveis dois táxis. As placas dos automóveis nauruanos são amarelas com uma letra e três números, ambos em cor azul.
Está presente na ilha um aeroporto, Nauru International Airport, dotado de uma longa pista. A única empresa aérea disponível é a Our Airline, com voos que partem apenas às quintas-feiras e sextas-feiras, com destinos a Honiara (Ilhas Salomão) e Brisbane (Austrália).

Os recursos naturais são peixe, e fosfato, a principal riqueza de Nauru, desde o tempo da colonização, mas as reservas estão praticamente esgotadas, além dos mercados tradicionais deste produto estarem também em baixa. No entanto, as exportações daquele produto deram aos nauruanos, durante algum tempo, um dos mais altos rendimentos per capita do Terceiro Mundo.
Depósito de fosfato ao redor do Lago Buada.
Nos anos 90, Nauru introduziu o sistema de paraíso fiscal e rapidamente se tornou um dos destinos favoritos para dinheiro sujo da máfia russa, chegando a conseguir um “capital” de cerca de 70 bilhões de dólares, segundo uma estimativa do Banco Central da Federação Russa. Isto levou a OCDE a identificar Nauru como um dos 15 paraísos fiscais que não cooperavam na luta contra a lavagem de dinheiro. Com a legislação internacional reforçada contra estas operações, também esta fonte de renda está com os dias contados.
Outra fonte de renda eram os aluguéis cobrados na Nauru House, uma das mais altas edificações em Melbourne, a qual foi construída com os ganhos obtidos através da venda dos fosfatos. Desafortunadamente, as manipulações ruins e a corrupção nos anos 1990 levaram à ruína. As grandes rendas obtidas pela extração de fosfato se desperdiçaram. Em novembro de 2004, num esforço de pagar aos credores de Nauru, foram vendidos os ativos qua a nação possuía em Melbourne, incluindo Nauru House.
Nauru atualmente está implicado num caso australiano contra os Estados Unidos em um acordo mal-sucedido. Como se diz, os representantes dos Estados Unidos ofereceram bilhões de dólares para a recuperação econômica da ilha. Na mudança, Nauru promulgou a legislação que limita a efetividade de lavagem de dinheiro ultramarino e a fuga fiscal. Simultaneamente, estabeleceram uma embaixada nauruana na China (trabalhando na realidade no controle dos Estados Unidos), enquanto ajudando à deserção de cientistas norte-coreanos e funcionários pela fronteira. Supostamente partiu lá Kyong Won-ha, o cientista segundo se disse responsável pela maioria do programa nuclear de Pyongyang. Esta iniciativa foi chamada "Operation Weasel".


Districts

  Name Abbr. A (hect) C 1992-04-17 f C 2002-09-23 f C 2011-10-30 r
i Aiwo 110 874 1,051 1,220
i Anabar 150 320 378 452
i Anetan 100 427 498 587
i Anibare 310 165 232 226
i Baitsi (Baiti) 120 450 443 513
i Boe 50 750 731 851
i Buada 260 661 673 739
i Denigomodu (Denig) 90 325 292 307
i Ewa 120 355 397 446
i Ijuw 110 206 169 178
i Meneng 310 1,389 1,323 1,380
i Nibok 160 577 479 484
i Uaboe 80 447 386 318
i Yaren 150 672 632 747
  Nauru NRU 2,120 9,919 10,065 9,945



Nenhum comentário:

Postar um comentário